Doki Livros | Pôr do Sol no Central Park, Sarah Morgan

Enquanto lia este segundo volume de Para nova York, com amor descobri que estou me acostumando com duas coisas: a escrever pôr do sol sem hífen e a me deixar levar pelas palavras de Morgan. Não consigo me lembrar de ter lido alguma história dessa autora antes de Amor em Manhattan (leia a resenha aqui), mas, ainda que tivesse lido (e provavelmente li e não consigo ligar o livro à autora), sua forma de envolver o leitor ainda me surpreenderia -- porque cada nova história parece a primeira.


Em Pôr do Sol no Central Park temos a história de Frankie Cole, que junto com Eva é a melhor amiga de Paige (protagonista do livro anterior). Nossa especialista em flores e plantas tem uma queda de longo prazo por Matt, o irmão mais velho de Paige, e um medo enorme de relacionamentos (e de se deixar ver pelo mundo) por conta do divórcio conturbado de seus pais e da sucessão de acontecimentos que se desdobraram a partir do evento. O problema da história gira, então, em Matt tentando fazer com que seu laço de confiança seja ainda mais forte com Frankie para que ela possa se ver livre do medo e dar uma chance ao relacionamento amoroso entre os dois.

O ritmo deste volume é completamente diferente da trama anterior, o que é interessante de se acompanhar. Praticamente completamente voltado às questões de Frankie, o passo da narrativa acompanha o vagar manso da construção da coragem da personagem em perceber que nem tudo era o que ela pensava que fosse. Ao contrário do anterior, neste volume os primeiros capítulos demandam mais tempo de leitura -- por irem  mais devagar, esses capítulos me deram um pouco de trabalho para serem superados. Obviamente muita coisa acontece, desde o começo, no decorrer da trama e temos detalhes importantes que vão se juntando e diálogos interessantes que são essenciais para que entendamos os medos e travas da personagem.

Este ritmo um pouco mais lento me fez dividir a leitura em dois momentos: antes e depois da página 187. Por que? Porque o primeiro beijo entre Frankie e Matt acontece na página 187 (pouco depois da metade das 365 páginas do livro) e com a iniciativa dela. Este é um momento importante do enredo. É a partir desse beijo que a trama ganha um novo rumo. Se antes o ritmo parecia caminhar a passos pequenos, após o beijo a trama engata a passos largos -- as coisas começam a mudar em um espaço de dias razoavelmente curto até chegarmos ao evento final e termos nosso final feliz (que eu não contarei, para manter este texto livre de spoilers, mas que você deve imaginar qual é). Esse é o fôlego que a trama precisava (pois ao meu ver o enredo não se sustentaria se fosse mantido a pequenos avanços) e também é o que garante o selo de "gostei" para este volume.


A construção de Frankie merece um parágrafo para chamar de seu. Um dos melhores pontos deste volume é a atenção que a autora dá ao peso que o passado tem no presente da personagem. Frankie é uma mulher incrível, mas o fato de possuir uma mãe que não se prende a relacionamentos e ficou emocionalmente inconstante em um período significativo de sua adolescência deixou uma marca profunda. Sua fragilidade se esconde atrás de óculos grandes e roupas sérias, seu grande e amoroso coração anseia por cuidado e amor verdadeiro, ainda que não saiba disso. É esse processo de descobrir que ama, é amada e quer amar que vemos aqui. A forma como Morgan mostra a amizade dela com Eva e Paige e como as duas a apoiam e amam é um dos pontos mais bonitos de toda a trama, para além do romance. E o cuidado e empenho de Matt (e sua paciência infinita) são essenciais para que ela se solte e tenha coragem, enfim, de dizer um "eu te amo".

Alguns outros pontos devem ser mencionados: Matt e Nova York. O irmão da Paige é um exemplo extremamente perfeitinho de homem que toda mãe quer como genro (a minha incluída). Gentil, galante, charmoso e persistente, Matt se mostrou um personagem com muito mais do que o esperado bom-moço trabalhador com músculos incríveis. Morgan consegue fazer com que ele empurre Frankie para que ela expanda seus limites e rompa suas barreiras sem, no entanto, abusar disso. Ele e Garrinhas, sua gatinha "selvagem" que tanto lembrou minha própria gata de estimação, ganharam meu coração em um piscar de olhos. Quanto a construção da representação de Nova York... não há como não sentir o amor da autora pelo lugar, suas descrições são repletas de vida e sentimento. A cidade parece ganhar vida nas páginas do livro e saltar aos nossos olhos. As cenas no Central Park estão entre as minhas preferidas em todo o romance porque nos dão a sensação de realmente estarmos no lugar, vendo o que é contado. Não há dúvidas que o trabalho de descrição é realmente levado a sério aqui.

Como esperado (e ainda bem), pudemos ver um pouco (bem pouco) mais da relação entre Paige e Jake, agora amadurecida e caminhando para uma vida juntos, e me deixa satisfeita saber que os dois estão muito bem. Temos também uma boa dose de pistas sobre o par romântico (Lucas) da próxima protagonista da série, Eva, e tenho muitas expectativas para o que a autora nos reservou no próximo volume -- misturar uma romântica nata e incurável com um escritor de histórias de terror parece uma boa receita para um romance interessante.

No geral, Pôr do Sol no Central Park é uma leitura que satisfaz nossa necessidade de amor -- seja amor fraternal entre as melhores amigas, seja amor romântico entre o casal. É uma história bem construída, com personagens complexos e uma ambientação que te transporta para cada uma das cenas. A carga emocional das histórias está crescendo conforme a série vai avançando entre os volumes, o que me deixa curiosa e ansiosa para ver o que o próximo nos reserva.

Dados do livro:
Pôr do Sol no Central Park, Sarah Morgan, 356 páginas, Harlequin editora
Frankie Cole e suas duas melhores amigas inauguraram um novo negócio em Manhattan que está sendo um sucesso. Frankie é designer e ama trabalhar com paisagismo de jardins suspensos nos telhados dos arranha-céus da cidade. Entre amizades verdadeiras e um trabalho gratificante, ela tem tudo para ser feliz. Frankie nunca deu muita atenção às relações românticas, sempre preferindo focar em si e no trabalho. Ela e Matt, irmão de sua melhor amiga, se conhecem há anos, mas nunca tiveram nada além de amizade. Até que ele descobre novas coisas sobre a mulher que pensou conhecer tão bem, e decide que não quer passar mais nenhum dia longe dela. Matt sabe que Frankie se mantém segura por trás de sua barreira emocional, mas fará de tudo para superar os bloqueios e conquistá-la.

Ajude o blog a continuar crescendo ao comprar seu exemplar deste livro neste link.

Até breve! 

18 comentários

  1. O livro pode até ter uma premissa que me agrade, mas desanimo quando vejo que bem no começo a leitura se arrasta. Sou o tipo de pessoa que abandono a leitura sem dó, então tenho que ser cativada logo de cara. Por outro lado gosto da ideia das descrições nos saltar os olhos e causar a sensação de estar no lugar, assim como o fato de Matt ajudar Frankiea romper suas barreiras me anima. Enfim, acho que só lendo para saber se gosto.

    Abraços.
    https://acabinedeleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Vitória!
    Que fotos lindas! Eu já tinha visto uma resenha deste livro, mas a sua me deu alguns detalhes a mais sobre a história. Não é um gênero que costumo ler, mas achei legal algumas coisas do livro. Gosto muito da personalidade do Matt, pois geralmente gosto mesmo é desses personagens bonzinhos e pacientes, que contribuem para a evolução da protagonista e que nos mostram motivos reais para nos encantarmos com eles. Entretanto, mesmo parecendo ser uma história bonita, eu diria que fiquei mais curiosa para saber sobre o casal da garota romântica e do escritor de histórias de terror. hahaha Sua resenha está ótima e já espero uma resenha do próximo livro da saga, pois amei a premissa. Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu adorei Amor em Manhattan e estava ansiosa por esse lançamento. Frankie e Matt deve ser aquele casal gostoso de se ler. Me identifico com a escrita da autora e mesmo com uma narrativa um pouquinho mais lenta espero que o enredo me cative.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Essa capa está tão bonita!
    Eu adorei a sua resenha e a sua sinceridade, acho que a premissa do livro é bem interessante e fiquei curiosa. Mesmo tendo o começo mais lento eu acredito que me envolveria com a leitura, ainda que lendo mais devagar.

    ResponderExcluir
  5. Oi,
    Essa capa é muito fofa! Não conhecia a autora, mas fiquei com bastante vontade de ler Por do Sol no Central Park (também acho estranho escrever sem os hifens). Só acho melhor começar por Amor em Manhattan. Vou ler a resenha dele assim que terminar de escrever este comentário... RS. Percebi pelos comentários que apesar da Sarah Morgan escrever romances clichês, são bem escritos e tem personagens bem desenvolvidos. Dica devidamente anotada!
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    Ainda não li essa série(?), contudo os comentários que li são o bastante para me deixar empolgada. Adoro premissas mais levinhas, se tem romance, então, nem se fala. Li alguns comentários que esse segundo volume é superior ao primeiro, será que dá para ler esse sem ler o anterior?

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Ola!!

    Sou completamente apaixonada pelas capas desse livro e vou te falar que sua resenha esta encantadora. Tenho muita curiosidade de conhecer a escrita da autora e agora estou mais tentada ainda.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu já tinha visto esse livro e me interessei pela história, agora depois de ler sua resenha minha curiosidade se aguçou de vez e desejo demais saber dessa trama na íntegra. Espero ler o quanto antes.

    ResponderExcluir
  9. Parece que você gostou dessa leitura e, como você mesma disse, quem tem necessidade de amor vai adorar. Eu não me interessei muito pela premissa da história apesar de achar a capa muito bonita e digna de nota.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Vitória!

    Eu morro de amores por esse livro! Me apaixonei perdidamente logo no início da leitura, talvez por já ter me encantado com os protagonistas no livro anterior. Ele conseguiu ser ainda melhor que Amor em Manhattan e terminei a leitura com um sorriso no rosto e uma certa tristeza no coração também por ter terminado tão rápido. Queria mais páginas, mais momentos... Suspiros!

    Como você eu também estou muito curiosa com relação à história da Eva. Ela é uma personagem frágil, muitíssimo amorosa e romântica, facilmente quebrável, por assim dizer. Fico com um pouco de receio de ela ser magoada, sabe? Tudo bem que os mocinhos da autora são uns amores, do tipo que qualquer uma de nós desejaria, mas a verdade é que não conhecemos o Lucas Blade e não sabemos bem o que pensar dele ainda. A Eva merece muito ser feliz, com balões em forma de coração, poemas melosos e tudo o mais que tem direito! Ela gosta de tudo o que for romântico e merece realmente encontrar alguém que a ame assim e a valorize.

    ResponderExcluir
  11. Desde o primeiro livro lançado pela editora eu fiquei morrendo de vontade de conhecer a escrita dessa autora, ela me parece super divertida e capaz de construir um romance de maneira bastante leve, e sinceramente, as vezes é disso que a gente precisa. Não sabia desse segundo livro mas fico feliz em conhece-lo pela sua resenha, sinal de que se eu gostar, terei mais histórias para apreciar!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Vitória.
    Eu li o primeiro livro dessa série e gostei bastante da escrita da autora!
    Já quero ler esse segundo livro!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bom?
    Estou louca para conferir algo da autora desde o primeiro volume e saber que a carga dramática está aumentando com a série e que a mesma tem evoluído bem, me deixa super curiosa para conferir os livros. Adorei saber que aqui nesta história temos amor fraternal, amor de amigos e amor entre homem e mulher. Também curti muito saber dessa construção da personagem que apresenta uma carga emocional bem grande, que é bem desenvolvida na obra.
    Dica mais que anotada! ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi Vitória,
    Ainda não li o primeiro livro dessa autora, mas estou curiosa para ler, porque gosto muito da proposta dos livros. Também gosto muito de saber que esse livro funciona numa velocidade um pouco diferente do primeiro.
    Acho que esse livro - e o anterior - garantem um bom entretenimento e vou anotar a dica!
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi Vitória!
    Eu lembro que quando o primeiro livro saiu, ele logo coloquei ele na minha lista de compras, pois tinha achado a sinopse super bonitinha (além da capa, que acho linda). Mas o tempo foi passando e acabei esquecendo dele e hoje não sei se o interesse continua. Também não sabia que tinha saído um segundo volume.
    Gosto muito quando o autor (neste caso, autora), constrói não só a relação amorosa entre o casal, mas também uma amizade - seja entre amigas ou entre amigos. Só por causa disso, ela já teria ganho um ponto comigo, rsrs.
    Adorei a sua resenha.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Ahhh, que delícia de livro! Histórias que se passam em NY são minhas favoritas, sempre vejo filmes e leio livros que se passam por la, pra amenizar a vontade que da na gente de ir também, RS. Amei sua resenha, me deixou morrendo de vontade de conferir o primeiro livro pra sentir esse amor todo que você sentiu! ❤

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Esse livro não me chamou tanta atenção, principalmente pelo começo ser arrastado. 187 páginas para engatar é um pouco demais pra mim, mas pelo visto vale a pena persistir. Eu tenho muito problema com livros que demoram fluir, sempre acabo abandonando ou dizendo que depois eu vou continuar ler, o que na verdade não acontece hahaha

    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?
    Eu confesso que, depois de ler Amor em Manhattan, eu fiquei muito mais curiosa para ler a história da Eva do que a da Frankie. Não curti muito essa personagem no primeiro livro e, apesar de ter amado o Matt, me desanimou um pouco saber que esse livro seria sobre ela.
    No entanto, como eu gostei muito da escrita da autora no primeiro livro e admito que fiquei encantada pela capa desse livro, vou querer ler ele sim. Uma pena o começo ser mais lento, mas que bom que a história vale a pena. Além disso, deu para perceber que a autora teve cuidado na construção da Frankie, explicando o seu passado e o reflexo dele no presente, o que me dá esperança de gostar mais desta personagem nesse livro.
    Enfim, adorei a dica e espero gostar da leitura também.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Muito obrigada por passar no Doki Doki! A sua visita é super importante para mim. Me conte, gostou de alguma coisa no post? Não gostou? Me ajude a produzir conteúdos cada vez melhores, a sua opinião é muito importante.

My Instagram