Doki Livros | Minha Versão de Você, Christina Lauren


Em agosto eu tinha prometido não comprar mais livros neste ano, mas obviamente não tenho autocontrole e tenho comprado pelo menos um livro em cada mês. Em setembro comprei Minha Versão de Você e não posso expressar em palavras como estou feliz por não ter conseguido me segurar e ter comprado este livro, porque existem histórias que nos marcam, existem histórias que nos enchem de esperança, existem histórias que nos fazem sorrir [...] e existem histórias que nos deixam apaixonadas -- e Christina Lauren me deixou apaixonada pela história de amor que escreveu.

Em Minha Versão de Você conhecemos Tanner, um garoto bissexual que mora e estuda em uma cidade mórmon (Provo), Autumn, a melhor amiga apaixonada por ele, e Sebastian, o garoto exemplar da comunidade que tem em seu futuro ir cumprir a missão de sua religião -- a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Estes três personagens são os responsáveis por deixar o leitor numa montanha-russa de emoções e com uma certeza: o amor não é errado, não pode ser contido, nem pode ser enganado.

Como sempre, tentarei deixar os spoilers fora desta resenha e me focarei em destacar pontos sobre o desenvolvimento da trama e dos personagens. Sendo assim, a primeira coisa que preciso dizer é que me surpreendi com a narrativa que Lauren apresenta. Não sabia bem o que esperar deste livro, eu sabia que seria uma história de amor, mas não imaginava que traria tanta carga emocional ou tanta abertura para novos aprendizados. Um dos pontos que chamou minha atenção quando li a sinopse foi a proposta de o personagem precisar escrever um livro durante uma disciplina, depois, quando comecei a leitura, descobri que era mais do que isso: a proposta é escrever um livro para uma disciplina de escrita dentro de uma escola mórmon onde o personagem principal e sua melhor amiga são deixados de lado por não seguirem a religião. Para começo de conversa, eu não sabia nada sobre os mórmons antes deste livro -- tudo bem, eu sabia alguma coisa sobre a religião e seus costumes -- e precisei ir pesquisar por conta própria para entender os pensamentos que guiavam a cidade em que a história se passa (foi uma pesquisa e tanto e me rendeu muito conhecimento).

Temos então três personagens orbitando ao redor de uma coisa em comum: a disciplina de escrita. Tanner e Autumn são alunos e Sebastian é o monitor que os ajuda a melhorar seus capítulos. Eu poderia dizer que Autumn e Sebastian orbitam ao redor de Tanner, mas isso não seria justo com nenhum dos personagens. Eles se relacionam e se completam de formas específicas.


Tanner é um personagem muito interessante quando olhamos para sua construção -- ele é um garoto muito complexo. O conhecemos na reta final de seu último ano escolar, com a ansiedade de deixar o high school para trás e poder ser livre para ser quem é. Desde o começo sabemos que Tanner é bissexual, que seus pais sabem e o apoiam e que ele não conseguiu contar para sua melhor amiga porque a) tem medo da rejeição e b) ela é apaixonada por ele. E com o passar dos capítulos vamos realmente entendendo porque ele não pode contar (e porque ele tem medo) -- porque para a grande maioria das pessoas que moram na cidade qualquer coisa que não seja uma relação amorosa entre um homem e uma mulher é vista como errada e simplesmente isola a pessoa em questão. E para Tanner já é mais do que suficiente ficar à margem por não ser mórmon -- seu pai é judeu e sua mãe cresceu com os Santos dos Últimos Dias, mas nenhum dos dois é praticante. E por isso agradeço muito por ele ter Autumn, a Hermione Nerd (como ele a chama).

A mãe de Autumn abandonou a religião depois que seu marido morreu no Afeganistão, então ela está no lado dos não mórmon, mas não se deixa abalar por isso. Autumn é uma personagem incrível, complexa, com um coração bonito. Sua várias facetas me surpreenderam muito, ela é fofa, engraçada, brava, mas mais do que isso, é uma mulher no final da adolescência que poderia ser eu ou você. Seu amor por Tanner não nubla seus sonhos nem seu julgamento do mundo, pelo contrário, ela sabe muito bem que seu melhor amigo não corresponde seus sentimentos nesse sentido, mas não deixa de o respeitar e amar. E ver a relação entre os dois nos mostra que o amor que eles compartilham é uma das coisas mais bonitas neste romance. Da metade para o fim do livro Autumn passa a ser responsável por muitas cenas intensamente delicadas e com viradas de destino muito importantes. Obviamente eles têm seus momentos (e aqui você terá que ler para descobrir), mas no final do dia um está apoiando o outro, um está amando o outro sem restrições.

E então temos Sebastian. No começo eu não sabia bem o que pensar deste personagem. Sebastian é mais um personagem muito complexo e que deve ser analisado com calma. Me parece que entre os três personagens principais, ele é o que mais cresce em decorrer da relação que estabelece com Tanner -- e um dos que nos toca mais ao sofrer. Sua construção é muito bem feita, com o passar dos capítulos vamos entendendo melhor suas ações e receios. Por ser um exemplo ao seguir sua religião, para ele é muito difícil chegar em termos claros sobre sua sexualidade consigo mesmo e sua família não o apoia em nada neste quesito, escolhendo o silêncio, o esquecimento e o apagamento de qualquer coisa que julguem não se encaixar no que é instruído em sua igreja.

Quando juntamos estes três personagens temos uma história maravilhosa. Não temos um triângulo amoroso, temos companheirismo, amor, amizade e uma delicadeza no narrar que simplesmente não te deixa desgrudar do livro enquanto sua trama não acabar. Obviamente ficamos com o coração apertado uma e outra vez no decorrer do caminho, mas nada é exagerado nem está na trama de forma gratuita -- tudo tem seu lugar e sua razão. Lauren tem um tom narrativo muito consistente, os acontecimentos de sua trama são encaixados de forma bastante satisfatória e seus personagens são simplesmente encantadores, reais e realmente passam a emoção do que estão sentindo.

Além da trazer um final extremamente bonito e esperançoso, Minha Versão de Você fala do processo de escrita de um livro, de como as histórias que escrevemos podem sim se relacionar com o que vivenciamos, e sobre ter coragem de colocar sua voz em forma de livro no mundo. Mas mais do que isso, esta trama toca em pontos importantes como a liberdade para ser quem realmente é, sobre aceitação, amor e empatia. Desde o começo, ainda que só percebamos isso depois, Christina Lauren consegue fazer com que um tema extremamente importante não só permeie a narrativa como seja um ponto decisivo para Sebastian -- e também aprofundado em cenas e diálogos específicos -- que é o abandono dos pais e da igreja que pessoas que >saem do armário< sofrem. Eu sinceramente não consigo entender como um pai ou uma mãe poderiam virar as costas para seu filho por ele ser homossexual, bissexual ou qualquer outra coisa -- afinal, ele/ela é um ser humano, sua família, seu amigo. E enquanto na família de Tanner todos os apoiam, na de Sebastian a situação é completamente diferente e ao mesmo tempo em que é doloroso ver o medo da rejeição que o personagem sente, é também um tapa na cara do leitor para fazê-lo questionar seus próprios pensamentos e atitudes.

Este é mais um livro que estou simplesmente extremamente feliz por ter lido. Acho que Minha Versão de Você deveria ser lido e relido por todos, porque mais do que falar de se aceitar, ser aceito, ter coragem e viver sua vida, fala de amor. E como a própria autora diz em sua dedicatória para este livro:

E amor é amor é amor é amor é amor é amor é amor é amor,
não pode ser morto nem deixado de lado.
Dados do livro:
Minha Versão de Você, de Christina Lauren, 334 páginas, editora Hoo
Há três anos a família de Tanner Scott se mudou da Califórnia para Utah, fazendo com que sua bissexualidade voltasse para o armário. Agora, com apenas mais um semestre até o fim das aulas no colegial e seu tão sonhado futuro em uma universidade longe da família, ele só deseja que o tempo passe mais depressa. Quando Autumn, sua melhor amiga, se inscreve na aula de escrita e o desafia a participar, Tanner não consegue recusar o convite, afinal de contas, quatro meses é tempo mais do que suficiente para escrever um livro, certo? O garoto está mais certo do que imagina, pois leva apenas um segundo para que ele note Sebastian Brother, o prodígio mórmon que, nas aulas de escrita do ano anterior, escreveu e publicou o próprio livro, e agora orienta a turma. Se quatro meses é muito tempo, um mês pode não ser. E é exatamente esse tempo que leva para Tanner se apaixonar por Sebastian.

*Você pode garantir o seu exemplar e ajudar o blog a continuar crescendo ao comprar no link abaixo:


Até breve! 

4 comentários

  1. Nunca ouvi falar do livro.. Mas pudera que intenso, personagens bem escritos, a história é boa tambem, falar de um processo de escrita deve ser bem gostoso de ler.. Fiquei interessada

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu tenho em ebook mas não li ainda. Gosto muito da escrita das autoras e por sua resenha parece bem diferente da proposta que elas costumam escrever.
    Deve ser uma leitura bem envolvente e que deixa reflexões importantes.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  3. Oi, Vitória.
    Eu já tinha visto esse livro por aí, mas não sabia que ele tinha uma história tão emocionante assim!
    Ainda bem mesmo que você não se controlou!! Rs...
    Dica anotada aqui!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Lembra de como te pilhei pra resenhar logo o livor??? Queria muito ver a sua opinião porque é um livor que tenho curiosidade em ler por causa do enfoque do romance e também por este universo sobre a religião. Agora com o seu aval positivo, posso tirar o meu da estante... rs
    Beijos

    ResponderExcluir

Muito obrigada por passar no Doki Doki! A sua visita é super importante para mim. Me conte, gostou de alguma coisa no post? Não gostou? Me ajude a produzir conteúdos cada vez melhores, a sua opinião é muito importante.

My Instagram