Ainda sobre "Opostos" de Jennifer L. Armentrout


Ainda que já tenha resenhado Opostos (clique aqui para ler), eu simplesmente não consigo deixar essa história de lado no momento -- é quase uma ressaca literária, mas sem me impedir de ler outros livros enquanto não passa. Por isso cá estamos nós de novo falando sobre o último volume de Lux, ainda que desta vez de uma forma um pouco diferente do que costumo fazer.

Em algum momento na semana passada, enquanto estudava, cai em uma playlist aleatória no Spotify e encontrei a trilha sonora do musical Heathers, que eu nunca tinha realmente prestado atenção, mas agora estou viciada. Uma das faixas me chamou a atenção porque, guardadas as devidas diferenças e peculiaridades entre as histórias do musical e de Katy e Daemon, a narrativa contida ali me pareceu alguma coisa que os dois personagens principais da série de Armentrout ou falariam ou que faria muito sentido no contexto da série. Então coloque os seus fones de ouvido, porque vou fazer uma "análise" do livro a partir de alguns trechos da letra de Seventeen -- a faixa em questão --, que você pode ouvir no player abaixo (interpretada por Barrett Wilbert Weed e Ryan McCartan) ou clicar aqui e assistir/ouvir a versão com a Carrie Hope Fletcher.


Para não ficar confuso, vou colocar o trecho da música (não vou usar a letra inteira por razões óbvias) e explicar a conexão que fiz com a história e os personagens -- a letra é em inglês, mas vou colocar a tradução em português, não se preocupe. Para mim faz muito sentido traçar um paralelo entre as duas, Seventeen e Opostos, porque suas histórias falam de situações extremas, problemáticas, perigosas mas são situações em que ainda assim o amor conseguiu encontrar seu lugar e exercer papel fundamental em seu final.
We're "damaged"
Really "damaged"
But that does not make us "wise"
We're not "special", we're not "different"
We don't choose who lives or dies
*Nós estamos quebrados/Realmente quebrados/Mas isso não nos faz sábios/Nós não somos especiais, nem diferentes/Nós não escolhemos quem vive ou morre
Observação: estou usando "quebrados" aqui no lugar de "danificados" (que seria a tradução mais precisa) porque acho que funciona melhor.

Estes são literalmente os primeiros versos da música (há um "Fine!" bem no início, mas ainda assim é o começo) e me remeteram a tantas cenas ao longo da série que não posso nem começar a enumerar. Em Opostos, em especial, todos os personagens estão chegando no limite em algum nível -- Daemon, Katy, Archer, Luc, os oficiais do exército... -- e em uma cena em específico [atenção para o spoiler] quando eles estão na base do exército prestes a mudar de uma vez por todas com a vida das pessoas inocentes das cidades para acabar com os Luxen invasores, o verso "nós não escolhemos quem vive ou morre" é quase literalmente dito por Katy e Daemon.

Let's be normal, see bad movies
Sneak a beer and watch TV
We'll bake brownies or go bowling
Don't you want a life with me?
Can't we be seventeen?
That's all I want to do
If you could let me in
I could be good with you

*Vamos ser normais, ver filmes ruins/Pegar uma cerveja e assistir TV/Vamos fazer brownies ou jogar boliche/Você não quer uma vida comigo?/Não podemos ter dezessete?/Isso é tudo o que quero fazer/Se você me deixasse entrar/Eu poderia ser bom com você

Mais um momento da música que evoca muitos dos desejos dos personagens: voltar a normalidade, poder ir para a faculdade, comer pizza, sair com os amigos e não se preocupar se eles estarão sob influência da "colmeia" Luxen. Fazer coisas normais, cotidianas... quando se está lutando, fugindo, sofrendo, este é o maior desejo de todos. Na segunda parte deste trecho, "se você me deixasse entrar/eu poderia ser bom com você", eu poderia fazer mil e uma relações, mas me fez pensar muito numa cena dos primeiros capítulos deste último volume, quando Katy não sabe se pode confiar em Daemon de verdade e ele está se explicando e deixando tudo às claras -- para mim este é um trecho para se reforçar a confiança entre o casal e o mesmo acontece entre Veronica e J.D., os personagens que cantam Seventeen -- é a hora de decidir, de uma vez por todas, qual caminho seguir e em quem confiar.

So what's it gonna be?
I wanna be with you

*Então, o que vai ser?/Eu quero estar com você

Este trecho é quase autoexplicativo, mas vamos lá. Estes versos são o "resumo" das vontades de todos os casais nesta série. Eles querem ficar juntos -- todos eles. É o "estar junto" que os deixa inteiros e que os faz ter força para não desistir -- e, se pararmos para pensar, quando os casais não estão juntos, é a vontade, o querer estar junto que os motiva a fazer acontecer o "estar com". Para mim estas são palavras poderosas. E em Opostos trazem uma lição: não devemos desistir do amor -- e ele é um combustível poderoso.

Yeah we're damaged
Badly damaged
But your love's too good to lose
Hold me tighter
Even closer
I'll stay if I'm what you choose

*Sim, nós estamos quebrados/Severamente quebrados/Mas seu amor é bom demais para perder/Me segure forte/Mais perto/Eu ficarei se eu for o que você escolher

Aqui estamos chegando ao final da música e o tom vai mudando um pouco, se definindo -- no final de tudo, não importa se eles estão quebrados se estiverem juntos. Da metade para o final de Opostos, quando todos estão mais ou menos reunidos novamente, nós percebemos que essa é uma verdade e um ponto muito importante (e repetido uma e outra vez) na narrativa. [atenção para o spoiler] Ter alguém com quem há uma conexão afetiva forte é determinante para Daemon e seu irmão permanecerem sãos durante a invasão (a Dee não possui essa pessoa, então veja o que acontece).

'Cause you're the one I choose

*Porque você é quem eu escolho

Me parece que este verso resume bem a relação de Katy e Daemon. Eles estão constantemente escolhendo um ao outro, eles se salvam mutualmente, se arriscam um pelo outro uma e outra vez. Desde o começo, lá em Obsidiana, ele passam por provações pensáveis e impensáveis para ficarem juntos, para poderem viver seu amor, mas nada disso é forçado. É uma escolha. E isso é uma das coisas bonitas em Lux, é escolher lutar por esse amor. Mais do que as gracinhas de Daemon ou o quanto conseguimos nos relacionar com Katy, é a força, dedicação e escolha em um não deixar o outro que conquista durante a leitura.

Então...
É claro que as duas histórias são completamente diferentes (veja a sinopse do musical logo abaixo), mas às vezes uma música que significa muito em uma trama também pode trazer significados para uma outra narrativa. E foi isso mais ou menos o que eu tentei mostrar aqui. Se você assistir a música encenada (tem uma animação linda aqui) poderá perceber que o tom da letra é diferente do que eu coloquei no meu texto aqui no blog justamente porque o tom do musical é diferente do tom de Opostos. Mas a relação funciona de sua própria maneira. E, no final, em linhas gerais, Heathers e Opostos (a saga Lux, realmente) trazem a história de adolescentes que precisam lidar com mais do que deveriam -- e se saem bem.

Sobre o musical:
Fonte: erin | tumblr

Heathers é um musical baseado no filme cult de mesmo nome, que estreou em 1988. É um musical de rock que teve seu teste em Los Angeles e estreou Off-Broadway em 2014. A história traz Veronica, uma garota comum, que tenta sobreviver à guerra que é a vida social no ensino médio entrando no grupo das três garotas mais populares da escola, as Heathers. Ela acaba conhecendo um sociopata chamado J.D. e, a partir daí, sua vida começa a entrar num grande ciclo de ódio, indiferença e homicídio não intencional, enquanto ela se vinga de seus inimigos -- que eram também seus colegas de escola. A partir de 3 de setembro o musical está em temporada em West End, em Londres, por doze semanas (e eu realmente queria muito assistir a Carrie Fletcher como Veronica).

PS: eu estou deliberadamente ignorando a série que fizeram porque simplesmente não é nada do que o musical propõe e eu não gostei.
Dados do livro:
Opostos, Jennifer L. Armentrout, 344 páginas, Valentina
Katy sabe que o mundo mudou desde a noite da chegada dos Luxen. Ela não consegue acreditar que Daemon tenha se juntado à sua própria raça ou que vá ficar de braços cruzados enquanto esses novos Luxen tentam varrer todos os seres humanos e híbridos da face da Terra. No entanto, as linhas entre o bem e o mal não são mais tão nítidas, e o amor se tornou uma emoção que poderá destruí-la — na verdade, destruir a todos. Daemon fará o que for preciso para proteger aqueles que ama, mesmo que para isso. Eles terão que se aliar a um inimigo improvável se quiserem ter qualquer chance de resistir à invasão. Mas à medida que se torna cada vez mais difícil distinguir entre aliados e adversários, e com o mundo prestes a desmoronar, eles talvez tenham que abrir mão de tudo que lhes é mais precioso para garantir a sobrevivência de seus amigos. E da humanidade. A Terra está em guerra e, qualquer que seja o resultado, o futuro jamais será o mesmo para aqueles que conseguirem sobreviver.

* Você pode garantir o seu exemplar e ajudar o blog a continuar crescendo, comprando no link abaixo:


Até breve! 

9 comentários

  1. Olá!
    Achei interessante a correlação que você conseguiu fazer desse musical com o último livro da Saga Lux. Fiquei ainda mais curiosa para conferir o desfecho da trama e ver o destino que Jennifer L. Armentrout vai reservar para Daemon e Katy.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe não sei se fez muito sentido fora da minha cabeça, mas que bom que você achou interessante! Quando puder, não deixe de ler Opostos, está realmente muito bom :3

      Excluir
  2. Olá, Vitória.
    Eu ainda não li essa série, mas li excelentes críticas sobre ela e o seu post de hoje me surpreendeu! Essa análise inusitada me fez querer conhecer mais sobre esses personagens e sobre toda essa história. E claro, fiquei curiosa para saber mais sobre o musical também!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe fiquei viciada no musical e precisei compartilhar haha tomara que você possa começar a ler Lux em breve, é uma série muito boa! :D

      Excluir
  3. Olá! Tenho o primeiro livro da série, porém não li ainda. Li sua resenha e sei que você gostou bastante do final da história. Achei essa maneira que você encontrou de analisar comparativamente a trama e os personagens com a música bem diferente e legal, mais uma prova de que realmente a narrativa ficou grudada em você. Obrigada pelo post!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, ficou super grudada em mim, se não fosse exagero, faria mais três posts sobre ele ahahaha

      Excluir
  4. Olá, é tão bacana quando encontramos uma canção que combina tanto com uma história que lemos, né?! Achei super interessante ver como a música do musical e a história do livro tem tanto em comum pelo seu post. Curiosa para ler a série também.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Vitória!
    Caramba, apesar de não ter lido a série a não conhecer o musical, achei sua analogia perfeita! Muito interessante fazer uma relação entre os dois, mesmo um não tendo absolutamente nada a ver com o outro.
    Bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Amiga, desapega, deixa essa serie de lado e segue a vida, porfaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa... HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Eu já disse que nunca me interessei pela serie, mas eu achei genial você relacionar com o musical e confesso que agora estou até pensando em dar uma chance pra serie toda.
    Beijos

    ResponderExcluir

Muito obrigada por passar no Doki Doki! A sua visita é super importante para mim. Me conte, gostou de alguma coisa no post? Não gostou? Me ajude a produzir conteúdos cada vez melhores, a sua opinião é muito importante.

My Instagram