Doki Livros | A Filha do Norte, Luisa Soresini

Era uma vez uma bruxa e uma jovem passeando pela floresta, procurando uma espécie de flor especial. Mas nem tudo são flores (desculpa, não consegui segurar o trocadilho) e durante uma tempestade as amigas se separam e, enquanto Meredith, a bruxa, volta para casa preocupada, Michelle, a jovem misteriosa, acaba por se embrenhar ainda mais na floresta e encontrar uma mansão. Mas quem mora numa mansão tão antiga [normalmente, a Fera e sua biblioteca maravilhosa]? Os irmãos Vergamini. Danton, Carl, Luka, Ethan, Christofer, Frank e Wolf. Sete homens que escondem muito mais do que apenas sua natureza violenta. É com esse grupo um tanto quanto diferente que Michelle irá conviver a partir de agora -- se isso é bom ou ruim, apenas o futuro poderá dizer.

E é só isso o que você vai saber sobre a história por aqui porque não quero acabar com as surpresas e reviravoltas da narrativa.

encontrei uma revista coreana de 2012  e agora estou usando suas páginas como background ['cause why not?] :3
A Filha do Norte começa de forma devagar, aos poucos, como se testando o caminho e firmando as pernas -- o que poderia também servir para falar sobre Michelle, nossa protagonista, que vai aos poucos (e a pequenos passos) ganhando confiança em si mesma. O ritmo da trama começa a mudar depois das primeiras cinquenta páginas e uma série de acontecimentos prendem a atenção (e o seu coração começa a acelerar, seus olhos a piscar e a ansiedade toma conta -- aquele esquema de sempre, você sabe como é).

A história que Luisa nos traz foi uma grata surpresa, sua premissa é bastante interessante e o mundo criado é, de uma forma ou de outra, envolvente. A linguagem empregada é natural e favorece para o ritmo da narrativa fluir sem problemas e de forma agradável. Com a narrativa seguindo os personagens sempre de perto, ora com Michelle, ora com qualquer outro personagem, o leitor pode conhecer seus pensamentos e fazer suas próprias conjecturas sobre o que cada um deles sente e/ou esconde. Nesse ponto, um personagem que tem muito potencial para "os próximos capítulos", para mim, é o Wolf. Mais calado e, numa primeira impressão, mais selvagem do que os outros, suas aparições trazem sempre algum detalhe interessante.

Vivi um relacionamento de amor e ódio com grande parte dos personagens (e fiquei indignada com dona Luisa várias vezes), mas Luka e Wolf são, na maior parte, os personagens que mais me agradaram, juntamente com Meredith (que conta com a companhia de Elza, uma outra bruxa). Wolf parece ter um papel importante nos próximos acontecimentos e Luka possui um carisma meio doentio, deixe-me te dizer. Meredith parece uma boa influência para Michelle e espero vê-la em ação em breve. Quanto a Michelle, como comentei anteriormente nesse mesmo parágrafo, tenho uma relação de amor e ódio muito forte com ela. Seu passado é misterioso e suas possibilidades são grandes, ao mesmo tempo sua ingenuidade (ou seria inocência?) a deixa um tanto quando frágil -- e, até mesmo com medo de deixar isso para trás e agarrar sua força com unhas e dentes --, mas ela possui um potencial incrível e, desde que esteja determinada, pode mudar drasticamente seu destino.

De forma geral, os personagens se completam. Os Vergamini, as duas bruxas e os habitantes da vila... todos formam um panorama interessante e que trabalham como engrenagens, mantendo tudo o que há tempos fora estabelecido no lugar -- até que Michelle chega e começa a, mesmo sem saber, mudar certas coisas (e mudanças, na maioria das vezes, são boas).

Quando uma pessoa passa a sua infância e adolescência assistindo animes e doramas (e lendo mangás sem parar), de um jeito ou de outro vai começar a fazer associações estranhas entre as histórias que já assistiu e as que está acompanhando no momento. Nesse caso, logo nos primeiros capítulos, quando os Vergamini aparecem, comecei a lembrar de um anime que assisti já há algum tempo e que talvez pudesse ser um bom comparativo com A Filha do Norte -- o encontro entre uma moça que não sabe onde se meteu e vários homens não tão bem intencionados assim. Agora, enquanto escrevia essa resenha, lembrei que o nome do anime é Diabolik Lovers [link] -- que conta a história de uma moça inocente e seis vampiros nada inocentes (aliás, ele tem uma segunda temporada, que eu não assisti, Diabolik Lovers More Blood [link], onde aparecem mais quatro vampiros -- e parece zona demais para a minha vida de shipper) --, que apesar de bastante inquietante, possui um encantamento doentio que torna impossível não assistir todos os episódios, o mesmo que acontece com esse livro que te prende até o final. Para mim, guardadas as devidas diferenças entre as histórias, Ayato e seus irmãos tem personalidades parecidas com as dos Vergamini. Mas não vamos perder o foco aqui (porque, parando para pensar, eu poderia até mesmo conseguir relacionar A Filha do Norte com outro anime, Brothers Conflict, e esse parágrafo já ficou grande demais).

Enquanto minha relação com Diabolik Lovers é tensa (mas não vou falar sobre isso aqui), a com A Filha do Norte é muito calma. Essa é uma história repleta de mistérios -- e quase não há respostas para eles nesse momento -- que deve começar a se desenrolar de verdade no próximo volume (e dona Luisa vai me deixar curiosa até lá, claro). Por ser um primeiro volume é seu trabalho deixar mais pontas soltas do que amarradas e mais mistérios do que respostas -- o que faz muito bem. Este é um livro com quase quinhentas páginas que demandam atenção na leitura, pois enquanto sua trama cresce e se torna mais complicada, é possível deixar alguma coisa passar despercebida.

A trama de Luisa Soresini consegue misturar horror e humor ácido num cenário aparentemente comum, mas cercado de elementos fantásticos. Há o peso do destino nas costas de seus personagens e aquela vontade de se rebelar que todos nós carregamos no coração. Há conflitos e relações de ódio e de redenção. Há muito a ser explorado. E a Filha do Norte merece um voto de confiança não apenas de si mesma e de suas amigas bruxas, mas de todos nós, principalmente porque suas aventuras apenas começaram. Leitura mais do que indicada para quem gosta de uma boa trama bem amarrada.

2 comentários

  1. Oi
    Já até salvei o nome do livro aqui, pois sua resenha chamou muito a minha intenção para esses personagens e para a história que curiosidade, que bom que gostou da leitura.

    http://momentocrivelli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da resenha! :3 Masi sim, leia sim porque a história é muito boa! :D

      Excluir

Muito obrigada por passar no Doki Doki! A sua visita é super importante para mim. Me conte, gostou de alguma coisa no post? Não gostou? Me ajude a produzir conteúdos cada vez melhores, a sua opinião é muito importante.

My Instagram