Doki Livros | Pensei que Fosse Verdade, Huntley Fitzpatrick

quarta-feira, setembro 14, 2016

Lembra quando eu te contei sobre a leitura coletiva que a Editora Valentina organizou para Pensei que Fosse Verdade? Pois bem, a hora de falar sobre esse livro chegou. Já fazem algumas semanas que terminei de ler essa história, mas deixei para postar essa resenha na semana em que podemos começar a conversar mais sobre a obra (porque é o final da leitura coletiva) -- mas, veja bem, isso não quer dizer que eu irei contar spoilers por aqui, fique tranquilo. Me pareceu um bom plano quando programei esse post -- veremos se é mesmo.

qual é o seu sonho?
Huntley Fitzpatrick nos traz uma história cheia de nuances interessantes -- todas elas muito promissoras para se abordar em uma resenha, mas como tudo na vida, precisei fazer uma escolha quanto ao que escrever aqui hoje. Por isso, eu vou comentar de forma mais focada um aspecto que me chamou muita atenção na primeira metade do romance: o relacionamento entre mãe-pai-filha, que [querendo ou não] acaba por protagonizar cenas muito interessantes. Mas vamos com calma.

A personagem central de Pensei que Fosse Verdade e também a responsável pelo ponto de vista que acompanhamos, Guinevere Castle, é uma garota formidável -- com 17 anos, ela é esforçada, com os pés no chão e com aquela necessidade de se provar que todo adolescente tem. Por morar no lado menos fovorecido de uma ilha cheia de casas de veraneio de famílias ricas, Gwen sabe que a vida não é fácil -- sua mãe é faxineira e não tem descanso, seu pai dá o sangue para manter uma lanchonete, seu irmão mais novo demanda muitos cuidados -- e tenta fazer sua parte para ajudar nas contas da família com seus trabalhos de verão. Fiquei muito aliviada em saber, desde o ínicio, que ela tem em seu primo-quase-irmão Nico e em seu avô português uma espécia de porto seguro (apesar de suas peculiaridades, cada um é muito importante ali). Ela tem uma "tensão rolando" com Cassidy Sommers, um garoto rico que pegou o emprego de faz tudo na ilha nesse verão como forma de castigo -- e é claro que os dois têm um passado ali (afinal, eles se conhecem desde crianças), deixando as coisas desconfortáveis.

Já que mencionei Sommers... Vamos lá, vou fazer alguns comentários sobre os outros personagens. Cass é um bom garoto -- em linhas gerais, ele é o genro que muita mãe deseja --, mas até mesmo os garotos bons possuem problemas. Ele é muito prestativo e, como qualquer outro garoto, está testando as águas -- e é claro, é lindo. Cass e Nic estão na equipe de natação da escola junto com outros garotos que aparecem na trama e enquanto  Cass precisa de aulas de literatura com Gewn para recuperar as notas do último semestre e ensina Emory, o irmão dela, a nadar, Nic tem seus próprios problemas [como seu desejo/esforço para conseguir ser capitão do time e os planos para entrar na Guarda Costeira] para lidar junto com seu próprio trabalho de verão. E é claro, também há Vivien, melhor amiga de Gwen e namorada de Nic, que possui e traz seus próprios problemas.

ah se eu pudesse usar todos os quotes que marquei nesse livro...
Como não quero escrever nenhum spoiler, vou te contar que, em linhas gerais, nossos adolescentes aqui querem saber quem eles serão assim que a escola acabar. A herdeira de um buffet? Um membro da Guarda Costeira? Um reflexo de seus pais? Depois de um momento específico, Gwen precisa repensar tudo o que considerava uma verdade batida em pedra -- sobre si mesma, sobre Cass, seus amigos e seus pais. E aqui chegamos ao que eu gostaria de comentar com você.

Muitas cenas e aspectos nesse livro são, a meu ver, muito importantes. A presença de Emory, por exemplo, é de uma sensibilidade marcante -- a autora soube usar a figura da criança para deixar a história ao mesmo tempo mais suave e mais importante, porque os cuidados que uma criança (ainda mais na condição do gaorotinho) demanda são grandes. Algumas dessas cenas importantes são protagonizadas por Luce e Mike, os pais de Gwen.

Uma das cenas que me marcou bastante, logo no começo (e não é spoiler), tem Mike falando para Gwen aproveitar as oportunidades que o emprego na casa de uma mulher rica oferece e ficar de olhos abertos. Essa cena ficou comigo durante toda a leitura -- fiquei incomodada com o que o pai dela aconselhou implicava na vida de Gwen e passei todo o livro desgotanto um pouco mais dele. Veja, Mike não é um personagem plano, por isso possui todas as nuances que fazem o leitor ficar entre entender e não gostar. Ele quer o melhor para a filha -- quer que ela vá embora da ilha e seja mais --, mas não sabe realmente como dizer isso de uma forma que uma adolescente não entenda errado (isso na maior parte da trama).

Eu poderia escrever um parágrafo imenso sobre como mães como Luce dão o sangue [e mais um pouco] para colocar comida na mesa de seus filhos, mas escolhi falar do amor que ela tem por romances de banca baratos. "Por Deus, minha feiticeira, estou quase a por-te no colo.", é uma frase que Gwen lê de relance enquanto cobre a mãe que estava dormindo depois de um longo dia. Para uma mulher que não tem tempo para nada mais do que trabalhar e cuidar do que precisa ser cuidado, ler romances é um dos poucos prazeres permitidos. Aqueceu meu coração o quão bravamente Luce manteve a chama dos sonhos e esperanças acesa.

Outra personagem que merece ser citada é a Sra. Ellington. Mais do que a senhora de idade que deve ser acompanhada durante as tarde, a senhora E. faz com que Gwen repense seu corpo -- e seu conforto na própria pele. Ela é uma personagem preciosa, que ganha espaço mais do que merecido na trama e conquista o leitor com sua maneira de preparar o chá.

É claro que existem muitos outros pontos a serem abordados, todos os seus personagens têm uma justificativa para estarem ali e um papel a cumprir e ganahr a narrativa, mas minha resenha está ficando muito grande -- e se eu pudesse... ah se eu pudesse... colocaria um milhão de quotes por aqui. Mas antes de me despedir por hoje, quero falar mais uma ou outra coisa.

Pensei que Fosse Verdade lida com o "quem eu devo ser?" que todos nós tivemos no final da adolescência (e que muitos ainda se perguntam diariamente) e com amor, arrependimentos, sonhos e tantas outras perguntas que deve ser feitas. Ler sua história é como ver que as cartas estão na mesa e nem tudo o que sempre esteve ali é o que realmente queremos e o que realmente teremos para sempre. Huntley possui uma escrita sensível e fascinante de uma forma que raramente encontramos em livros para adolescentes possui uma força surpreendente. Ela lida muito bem com os segredos que seus personagens guardam e nos envolve com o romantismo e beleza de suas palavras.

Fiquei encantada e reflexiva em mais partes do que estou acostumada. Mas não se engane, essa é sim uma leitura densa e demanda tempo, precisa ser aproveitada como um dia ensolarado de verão. Sem pressa, no tempo que for preciso -- com os pensamentos e anseios que aparecem no meio do caminho.

essa fonte é muito linda!
Ah! Como sempre, a Valentina nos presenteou com uma diagramação impecável e rica em detalhes, seja nos corações nos topos das páginas ou nas letras diferentes e bonitinhas nos começos dos capítulos. Tudo muito bem redodinho com a atmosfera da trama. 

"(...) todos os nossos horizontes terminam em lugares diferentes."

Até breve! 

You Might Also Like

26 comentários

  1. Oi Vitória!

    Pior que o que a gente mais pensa quando somos adolescentes é no que está por vir. Eu sempre pensei, quando era mais nova, que seria uma reflexo da minha mãe, mas graças a Deus tenho minhas próprias convicções. Mas aqui, o Emory tem algum problema de saúde? Fiquei curiosa para saber o que é. rs Eu gosto muito desse tipo de livro, principalmente porque sempre tem algo a ensinar. Imagino que os pais da Gwen sejam os melhores pais do mundo!

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Isso é verdade, nessa idade a gente sempre pensa no que o futuro nos reserva né?
      Então, o Emory é um caso delicado, ele tem algumas necessidades especiais, mas o que é não fica realmente claro. :)

      Excluir
  2. Olá,
    Achei bem legal a iniciativa da editora com o projeto de leitura coletiva, mas acabei não participando.
    A premissa do livro é bem interessante e concordo que a trama é bem densa e que é preciso apreciar com calma para que ela tenha o peso proposto.
    Gosto bastante de livros que nos façam refletir e fiquei bem curiosa para descobrir mais sobre a obra.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Michele!
      O projeto foi muito legal mesmo!
      Tomara que você leia em breve, vale muito a pena :D

      Excluir
  3. Bom dia, Vitória!
    Sabe, quando eu comecei a ver os blogs se movimentando nessa campanha de leitura coletiva, eu não me interessei pela obra. Sim, eu julguei o livro pela capa e acabei desistindo de procurar mais informações sobre a obra. Felizmente eu li sua resenha hoje, em um dia que estou de TPM e tudo me emociona e enche meus olhos de lágrimas. Menina, que história maravilhosa é essa? Eu criei um elo com a mãe de Gwen (escrevi certo?) porque ela me lembrou MUITO da minha mãe, que sempre fez o impossível para que nunca faltasse nada para mim e para o meu irmão. Também gostei de saber da ligação da personagem com o avô: apesar de alguns altos e baixos, meu avô é uma das pessoas que mais amo nesse mundo. Fiquei bem animada com o que posso encontrar nessa obra, já está indo para a lista de desejados no Skoob. Gosto quando os autores mexem com a gente com tanta maestria. Essa história de praia, de dramas adolescentes, da dúvida sobre o que serão... Me lembrou bastante a trilogia 'Verão' da Jenny Hann (mas acredito que aqui a história seja um pouco mais madura, com focos diferentes).

    Enfim, acho que meu comentário tá ficando muito grande D:

    Beijinhos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você conseguiu já se relacionar assim com a história! Ó, tá certinho a grafia da Gwen e para falar a verdade, tenho um sentimento muito forte por ela também por causa da minha mãe :) Mas ó, leia sim! E quando tu terminar, me conta o que achou ~estou adorando conversar com mais pessoas que leram porque cada um vê as cenas de um jeito diferente e é muito bom!

      Excluir
  4. A história parece ser bem turbulenta e retrata um pouco da realidade de casa um. Aqui em casa, por exemplo, é nítido o esforço do meu pai para agradar a mim, meu irmão e minha mãe. O esforço que ele faz para dar tudo do bom e do melhor, coisas do tipo...
    Essa questão do adolescente pensar o que será após a escola também já aconteceu comigo. Temos essa ideia na cabeça de que vamos fazer sucesso assim que completar 18 anos, conseguir um bom emprego, quem sabe cursar uma faculdade e blá-blá-blá, mas a vida não é tão perfeita, rápida e prática assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Amanda!
      Sim! A história é bem real e conseguimos nos relacionar de forma bem próxima com as questões que ela traz :D

      Excluir
  5. Oi, Vitória!
    Tive certo interesse no primeiro livro lançado da autora por aqui, Minha Vida Mora ao Lado, mas quanto a esse em especial já não me chamou muita a atenção. Não sei bem o porquê, talvez a capa tenha me repelido um pouco, é difícil dizer, na verdade, mas bom saber que, mesmo por entre os clichês dos dramas adolescentes, Pensei que Fosse Verdade consegue ser um pouco mais que isso e apresentar uma história leve e ao mesmo tempo firme e densa e com bons personagens. Talvez repense melhor em lê-lo agora após sua resenha, parabéns por ela, está incrível mesmo!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sammy!
      Opa, que bom que a minha resenha talvez te faça repensar sobre ler essa história :D

      Excluir
  6. Oi Vitória li esse livro devido a leitura coletiva também e como já conhecia a escrita da autora não tinha como não esperar algo bem escrito, exceto pelo fato que ele não superou minhas expectativas de se melhor do que Minha Vida Mora ao lado. Sua resenha traduz muito bem os dramas dessa hsitória, a forma como todos ali estavam tentando se encontrar de algum modo. Nic me irritou mais do que o pai da Guinevere, achei ele egoísta e prepotente, mas ele nada mais é do que um adolescente confuso rsrs. Já os conselhos e certas atitudes do pai me irritaram , mas entendi que nem todos são perfeitos. Enfim, essa história é mesmo linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju!
      Nic é um personagem que me deixou dividida, mas deixei passar por ele ser adolescente haha o pai dela não tinha a desculpa da falta de experiencia haha e siiim, a história é linda!

      Excluir
  7. Olá, Vitória. A história do livro, pela sua resenha, parece ser de muito amadurecimento, e digamos também, de superação. A capa do livro é maravilhosa e a Valentina sempre capricha em relação à diagramação. Mas infelizmente, eu não senti AQUELE interesse em ler o livro, pelo menos não no momento. Mas fico feliz que tenha gostado tanto do livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Que pena que o livro não despertou o seu interesse =/

      Excluir
  8. Ooi!
    Confesso que o livro até chamou minha atenção um pouco, mas não sei se iria gostar. Pelo menos não por agora, pois parece que exige um pouco a mais do leitor, e como você disse, ele tem que ser bem aproveitado.
    Ainda assim, dica anotada. Quem sabe um dia!
    Ótima resenha!

    Beijoos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, precisa de um tempo pra ler com calma, porque aparecem várias reflexôes enquanto a gente lê :)

      Excluir
  9. Uau, que resenha! Pelo jeito o melhor do livro são os personagens, não é? Fiquei curiosa para ler sobre cada drama, realmente parece ser uma leitura densa que merece ser lida com calma. Não sabia sobre o que o livro tratava quando vi a capa, e me surpreendi pela história. Quero conferir, não li nada da autora ainda.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe :D e siiiim, os personagens são um prato cheio! quando tu tiver um tempinho, leia sim ~e depois me conta o que achou!

      Excluir
  10. Oi Vitória, tudo bem?
    Eu quase participei da leitura coletiva, porque adorei o outro livro da autora (Minha Vida Mora ao Lado <3), mas por conta da correria com algumas coisas não participei.
    Gostei dos pontos que você abordou na trama e estou ansiosa para ler. Eu gosto de histórias leves, mas que trazem mensagens importantes. Por isso, que YA vem me conquistando.
    Minha Vida Mora ao Lado foi um livro que amei, mas espero que Pensei que fosse verdade me atinga e me deixe encantada. Vou fazer a leitura até o mês que vem.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, então depois me conta o que achou Jéssica! ~ porque sim, esse livro é muito bom <3

      Excluir
  11. Oie, tudo bom?
    Eu vi esse livro muito nas redes sociais, mas não tinha me chamado a atenção até agora. O que o irmão da Gwen tem? Fiquei curiosa.
    Com certeza é um livro que traz grandes reflexões, agora você me fez ver esse livro com outros olhos.
    Amei a sua resenha.

    Bjux ;)
    http://entrelinhasalways.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, que bom que minha resenha te ajudou a ver a história com novos olhos!
      ~e então, ele não chega a ser autista, mas tem um "problema" que os médicos não sabem o que é

      Excluir
  12. Oi Vitória!
    Acho que ainda me sinto uma adolescente, com essa coisa do "quem ser". To terminando a faculdade e ainda tenho tantas dúvidas, da um medo... Mas não to aqui pra falar de mim né, deixa eu ficar quieta hahahaha mas é que por tudo que você falou, acho que eu ainda ia me identificar muito com esse sentimento que o livro passa, me identificaria com os personagens. Aliás, tudo que você disse sobre eles me atraiu bastante. Quando você falou sobre o projeto o livro não tinha me despertado tanto a vontade de ler mas agora sim, fiquei super curiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath!
      Olha, deixa eu te contar que sei como é isso, porque também estou acabando a graduação e ainda não sei bem o que fazer depois D: Mas ó, que bom que você ficou interessada na história! É super amor e muito bem escrita :3

      Excluir
  13. Oi Vitória, sua linda, tudo bem?
    Eu virei fã dessa autora desde que li o livro Minha vida mora a lado. Adoro tramas com famílias. E também me emocionei com os dramas de todos os personagens, todos eles possuem sua importância na história. Adorei o livro e torço para que todos possam ler seus livros. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cila!
      Esse livro é ótimo né? :3 Super concordo com você, tomara que todos possam ler os livros dela! :D

      Excluir

Obrigada por passar no Doki Doki :) A sua visita é muito importante para mim. Gostou de alguma coisa? Não gostou? Me conte! ;)

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Subscribe