Burn Your Tongue (Part X)

sábado, dezembro 03, 2011

Ontem saiu a lista com os convocados para a segunda fase da Unesp - eu passei o/ e minha nota de corte subiu rs -, então, como estou feliz, mais um pouco de Burn para você :D Agora voltamos às postagns semanais, tenho muita coisa para contar nessa história ainda... Enjoy!
*PS: dona Luana - como você foi a única que palpitou sobre quem é no banner -, estou trabalhando no spin-off de Burn em que você participa #ha






-Está demorando muito, Thomaz, e não temos o dia inteiro. –Esbravejou.
-Ta bom, ta bom. Vira para o lado. –Ainda me pergunto quantos chicletes colei na cruz para merecer que isso aconteça comigo. Provavelmente alguns milhares de caixas.
-Você está brincando... –Me olhou incrédula.
-Não. Ou você vira para o lado e não me olha, ou não tiro a camiseta.
-Senhor, ele parece uma virgem envergonhada! –reclamou enquanto se virava no banco, ficando de frente para a janela e encostando a cabeça nela. –Você sabe que a garota que deveria ficar envergonhada aqui sou eu, não é?
Nem me dei ao trabalho de lhe responder, tirei minha camiseta correndo e olhando para os lados para ter certeza de que ninguém estava olhando, a tatuagem brilhava no meu ombro, como no dia em que a fizeram ali, vesti meio desajeitado a camisa que ela havia mandado, ainda fechava os botões quando ela se virou novamente e me avaliou clinicamente.
-Ficou bom em você. Jule tem um olhar muito bom. Milimétrico, eu diria. –se aproximou e tirou minhas mãos do tecido, as substituindo pelas suas e terminando de fechar os poucos botões que faltavam. Seu toque era preciso, mas a cada segundo uma nova descarga elétrica passava por meu corpo, meu coração estava acelerado e minha boca seca. –Ele disse que esse tamanho provavelmente serviria em você.
-Ele é observador. –respondi, enquanto Lizzy arrumava minha gola. –Como você.
-É, talvez. –terminou de me ‘ajustar’, se virou para frente e não disse mais nada. Fiquei meio desnorteado com sua atitude, mas ignorei. Era difícil acompanhar suas mudanças de humor e mais difícil ainda tentar entender.
-Para onde? –perguntei ao ligar o carro.
-Centro de Treinamento, na saída da cidade. Pegue a rodovia 57 e siga em frente, te aviso quando chegarmos.
Dirigi por quase meia hora até que Lizzy me indicou uma curva, eu não esperava pelo que vi.
Imaginava que iríamos para mais uma fazenda, mas o lugar em que me vi estacionando era completamente o contrário. Estávamos em frente a um grande edifico com a entrada majestosa em mármore e vidros escuros que iam do chão até o teto. Era de uma arquitetura moderna, mais andares do que poderia contar e diversos seguranças em toda parte.
-Tudo bem, agora se vire. –Elisabeth disse, com as mãos na barra de sua blusa azul marinho.
-Como? –perguntei mais para ter certeza do que qualquer coisa, eu já sabia que teria que me virar.
-Vire-se, agora o papel de menina envergonhada é meu. –Deu de ombros. –Além disso, se um dos seguranças conta para o meu pai que você me viu trocar de roupa, cabeças irão rolar. E não será a minha.
-Ta bom, ta bom. Estou virando. – grudei a cabeça no vidro e fiquei imaginando o porque dela ter que trocar de roupa, estava linda naquela blusa azul... blusa que marcava muito bem certas partes de seu corpo... e que corpo... Mas eu não deveria pensar nisso. Eu tinha um propósito aqui e não me deixaria sair da linha.
-Vamos. –Não demorou muito e ela já saia do carro, com uma camiseta leve, branca e com detalhes em renda na frente, além do short jeans minúsculo que me deixou meio tonto por alguns segundos. –Você irá passar o dia comigo, o plano original era te levar até a aula para novatos durante a manhã, mas temos reunião hoje e nenhum dos chefes poderá fazer isso. Fica para o próximo final de semana. E, é claro, você ficará anotando tudo durante a reunião.
Lizzy saiu andando e ao contrário do que eu previa, caminhou para o lado do prédio, me lançando um olhar de quem diz ‘está esperando o que? Vai ficar aí?’ e me apressei para lhe alcançar. Chegamos aos fundos e me vi no meio de um campo com a grama amarelada e rasteira. Havia uma pequena casa de tijolos, no estilo casa de boneca, na outra extremidade.
-Vem, vamos nos aquecer. –Ela falou já começando a correr para o meio do campo.
Corri o mais rápido que consegui e a alcancei em alguns instantes, seu rosto estava corado pelo esforço, o sol ainda estava baixo e ela sorria como uma criança feliz. Apostamos corrida, duas voltas até a casa de tijolos. Tomei a dianteira e fiquei satisfeito em saber que era pelo menos mais veloz do que minha ‘chefe’, mas quando olhei para trás ver onde ela estava não a encontrei em lugar algum. Meu coração acelerou e um pânico estranho se apossou de mim. Voltei correndo e quase cai em cima dela, no meio do caminho. Elisabeth estava sentada no chão, com as mãos massageando o pé esquerdo e os olhos lacrimejando.
-Lizzy, o que aconteceu? –agachei ao seu lado e tirei seus cabelos do rosto.
-Acho que torci o pé. –fez cara feia, como uma criança mimada. Ela estava com umas manias de criança hoje...
-Não tem problema, eu te dou uma carona. –a ajudei a levantar e me virei de costas, fazendo um gracejo. –Suba aqui. E me diga para onde vamos, senhorita.
-Thomaz... É melhor não... Só me ajude a andar. –sua voz falhou.
-Não seja teimosa, Elisabeth. Não irei deixar que você coloque o pé no chão e o force para piorar tudo. Vamos, suba nas minhas costas, menina!
Demorou um pouco, mas ela finalmente se rendeu e pulou em minhas costas, prendendo suas pernas firmemente na minha cintura. A ajeitei melhor e comecei a andar, ela descansou a cabeça em meus ombros e seu perfume me invadiu, lembrei dos bons momentos em que passamos juntos, no tempo em que éramos amigos e nos divertíamos como ninguém. Às vezes, nas aulas de final de semana, sentia falta de sua companhia na cadeira ao lado da minha. Relembrei alguns momentos divertidos que passamos e ela gargalhou em meu ouvido, relembrando outras coisas, algumas que me deixaram extremamente envergonhado.
Chegamos vermelhos e rindo no pequeno cômodo que dava para o campo, era uma espécie de sala com um sofá azul escuro, uma mesa e um telefone. A coloquei sentada no sofá e fiquei esperando.
-Você pode pegar o telefone para mim? Vou pedir para alguém abrir aquela porta venha nos ajudar. – indicou o telefone e uma porta no outro lado que eu não havia notado.
Horas depois, com o pé devidamente enfaixado, Lizzy marchava comigo em seus encalços até o terceiro andar para receber as informações da reunião que seria realizada no final da tarde. O elevador estava quebrado e tivemos que andar três lances de escadas.
-Estou morto. –bufei, quando finalmente chegamos em frente a porta de um dos escritórios.
-Vá se acostumando. – ela riu. –Eles não arrumam o elevador de propósito, todos tem que manter a forma e o fôlego.
-Ótimo. Irei morrer de ataque cardíaco até o final do ano. –desabei em um sofá marrom que havia perto da porta.
-Nossa, quanto drama! –revirou os olhos. –Me espere aqui, volto em alguns minutos. Se quiser, acho que Jule está no décimo andar ajudando na arrumação das salas, pode ir até lá o fazer companhia.
-Décimo andar? –confirmou com a cabeça. –Subir mais sete andares? Sete? Nem nos meus piores pesadelos. Ficarei bem aqui. Pode demorar o quanto quiser.
Balançou a cabeça negativamente rindo e abriu a porta do escritório onde uma brilhante placa indicava “Setor 77 – Apenas AUTORIZADOS”. Me acomodei melhor e fiquei esperando.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Ahh, que beleza! Eles estão quebrando o gelo, hein? Gostei muito desse post, não vejo a hora do próximo, e mais ainda, queria dar os parabéns pela unesp, boa prova na segunda fase! :D
    Quanto ao spin-off, estou ansiosa.
    Bjss!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde.
    Desculpe a intromissão, mas venho hoje divulgar meu projeto paralelo de resenhas literárias, sob o título de O Leitor.
    Se puder participar, agradecemos desde já.
    Obrigada pela atenção.
    Pamela

    ResponderExcluir
  3. Olá :)
    Obrigado pela visita e desejo tudo de bom pra ti :P
    Muito obrigado *--*

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Parabens por passar pra segunda fase Vicky! deve ser fod@, mas muita sorte mesmo!!!!!! vai dar tudo certo ;]

    E adorei esse cap. Irritancia demais eh sinal que gosta! :D
    E ela ta bem "pra frente" heim :D
    Acho que ta provocando mto o Thomaz... rs
    Quero ver q q vai dar... ;]

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada por passar no Doki Doki :) A sua visita é muito importante para mim. Gostou de alguma coisa? Não gostou? Me conte! ;)

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Subscribe