Nossos Sonhos Parte III

terça-feira, fevereiro 23, 2010

-Conde Robert, senhorita?
-Sim, ele me disse que queria se casar comigo...Disse que eu devia fazer a pergunta à Maxy... e que se ele não me amasse, pediria minha mão à meu pai.
-Princesa... o Conde foi embora pela manhã.
-Mas, ele disse... que se Maxy não gostasse de mim...-comecei a soluçar, é claro, eu não gostava de Robery, me senta atraída por ele, mas mesmo assim, me sentia perdida...

Quando voltei ao castelo, meus pais e Maxy me esperavam no salão de festas. Eu sabia o porque.
-Minha filha! -minh mãe começou, mas não sabia como continuar.
-Desculpe. -eu sabia o que era preciso.- Não posso me casar com Maxy, não é... certo, seus sonhos são diferentes dos meus. Não posso.
E não podia mesmo. Me virei e subi correndopara o meu quarto.

O casamento foi desfeito na manhã seguinte.
No povoado nos chamavam de "A donzela que não quer ser salva" e "O princípe que não quer salvar", eu achava engraçado, se parasse para pensar, poderia dizer que se parecia com um poema que ainda não fora escrito. No começo, quando já não me sentia angustiada pelo casamento, pensei que a minha vida seria perfeita...
Mas como passar dos dias, a ausencia de Maxy começou a me perturbar. Nós continuavámos a morar no mesmo castelo, mas meu castelo era enorme e cada um ficava em uma ala, eu na leste, ele na oeste e a única área que tínhamos em comum era a varanda. Mas eram raras as vezes em que nos víamos. Eu não queria ceder, mas sentia a sua falta. E continuava a sonhar com ele.


Eu não sabia o que Maxy fazia, mas passava o dia longe, todos os dias, enquanto eu tentava pensar em alguma coisa para escrever o poema e o conto que deveria entregar em um mês.

Uma noite, estava na varanda escrevendo quando ele apareceu. Ele estava diferente, parecia mais maduro... mas poderiam ser apenas os meus olhos, tão desacostumados a vê-lo e sentindo sua falta. Não conversamos, mas nossos olhares se cruzaram muitas vezes.
Depois disso, ele sempre estava lá. Comigo. Todas as noites. Era estranho, nos conhecíamos há anos, mas a cada dia, enquanto escrevia poesias e ele ficava sentado no lado oposto, reparava cada vez mais nas manias e características dele. Como em seu jeito de mexer no cabelo para tirá-lo do olho, ou como ele se distraia de repente, ao ficar olhando as estrelas.


Quando acordei em uma manhã, algo havia mudado em mim. Eu sabia o que era, mas não queria aceitar. Ao anoitecer, fiquei em dúvida sobre o que fazer, mas por fim, já cansada de resistir e esperar... para que mentir à mim mesma?
Ele já estava lá, sentado em seu lugar costumeiro. Fui em sua direção, ele se levantou e ficou esperando, mexendo em suas mãos, como sinal de ansiedade. Estavámos a apenas alguns passos de distância quando ele falou:
-Eu menti.






OI! rsrs
eu sei que eu demorei um pouco dessa vez... mas prometo não fazer isso de novo tão cedo...rs
Ah, preciso agradecer à todos vocês que estão comentando! Thank you very much!!!
A próxima parte (que por acaso é o final...rsrs) eu estou refazendo, mas prometo postar logo logo... no máximo no domingo.
É... acho que é isso...
Nossa, estou derretendo aqui...
Have a nice night!!!
And kisses for you!! rsrs =^.^=

You Might Also Like

1 comentários

Obrigada por passar no Doki Doki :) A sua visita é muito importante para mim. Gostou de alguma coisa? Não gostou? Me conte! ;)

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Editora parceira

Subscribe